Fama: O que você faria, onde queria chegar?

Na Antiguidade a fama/mito nasce no contexto das guerras na busca do homem pela imortalidade através de ações que se aproximam de atos heróicos. Essa insatisfação do homem atravessou a história, mas é no século XX, nas décadas de 50/60, através da indústria cultural que o conceito de fama e suas manifestações vêm se especializar e dimensionar-se em grandes proporções.

Mas se na Antiguidade para ter o titulo de famoso e imortal bastava somente um gesto heróico, na Modernidade essas considerações são determinadas por outros posicionamentos, geralmente vinculados a sua atividade intelectual e postura política na sociedade.

É também nesse período que esse conceito começa a se diluir e agregar a sua composição outros fatores, não exigindo mais das celebridades grandes atos heróicos de humanidade e intelectualidade, bastando para o artista uma aparição em alguma grande Rede de TV ou ter a sua imagem associada a determinados produtos. 

Como grande contestador desse momento o artista plástico Andy Warhol, faz uma critica a essa produção em massa de mitos, utilizando imagens de (pseudo) artistas em suas obras, quando são soerguidos personagens que só duram 15 minutos. Momento crucial de uma problemática em um sistema que nos impõe (ainda que por osmose) a conhecer e participar da vida de determinadas pessoas que pouco ou nada nos acrescenta.

 São pessoas geralmente vazias que viram ali uma oportunidade de ascensão social.

Para ressaltar tal contestação convido para o diálogo à filósofa Olgária Matos que se coloca da seguinte forma em relação a o conceito de fama na contemporaneidade:

“Essas pessoas que emergem por alguns segundos não permanecem. O problema dessa banalização é que tudo acaba se equivalendo, você não tem mais critério”, diz Olgária. O desejo de sair do anonimato, mesmo que por uma razão deletéria, explica a sujeição a cenas vexaminosas. Aí se mistura a busca [1]pela fama com a busca pela recompensa material. “O grande ideal do mundo contemporâneo é uma palavra de ordem vazia: ganhar dinheiro.”

Motivo pelo qual estão alicerçados vidas de pessoas que desenvolveram a carreira artística como Gretchen, Tati Quebra-barraco e as mulheres frutas que agora tem pululado nas nossas casas. Como diz em sua matéria “A Síndrome da Fama” o jornalista Fabrício Machado:[2]

 “personagens destas “propostas” de vida, enxertadas pela deficiência de realidade, que causa uma ilusão coletiva de que tudo aquilo que se vê na tela é um exemplo a ser seguido”.

Esses personagens criados são tão insustentáveis que a engrenagem da máquina que eles alimentam, (a mídia) os descarta sem nenhum problema. Porque qualquer pessoa pode substituí-los. Como exemplo tem Grecthen, que ilustra perfeitamente nossas conversações, que nos anos 80, recebeu o título de “Rainha do Rebolado” e logo fora substituída recentemente por Carla Perez, talvez por trazer em seu inventário um rebolado, mas contemporâneo. E muitas outras Carla Perez, Mulher Melancia, Tati Quebra-barraco surgiu no mediático mercado cultural e como Gretchen sumirá, vão embora de repente como num passe de mágica.

* Sobre o nível de fama que quero alcançar:

* O Ministério dos Anônimos Adverte: FAMA é prejudicial à SAÙDE

*Palavra-chave: A carreira artística de Gretchen

                              Gretchen é a Rainha do Rebolado

                              De repente, num passe de mágica Gretchen vai embora

 

 


[1]Matéria Fama para Todos, assinada por SOUSA, Ana Paula

[2]Matéria A síndrome da Fama, MACHADO, Fabrício

 

*Matéria Gretchen, virou trash, ARAÙJO, Joana Carta Capital 30 de março de 2005,

Anúncios

0 Responses to “Fama: O que você faria, onde queria chegar?”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: